Locais

Nonononononononononononononononononononononononononononononono  nonononononononononononononononononononononononononononononono nonononononononononononononononononononononononononononononono nonononononononononononononononononononononononononononononono nonononononononononononononononononononononononononononononono nonononononononononononononononononononononononononononononon.

Ginástica

A primeira academia que se tem notícia surgiu na rua Duvivier em Copacabana conforme relata Novaes (1996).

A ginástica localizada parece evoluir por década. Nos anos 60 e 70 recebia a influência da Calistenia, do grego Kallos (belo), Sthenos (força) acrescentado o sufixo “ia”, Marinho (1980). Nos anos 80 foi a vez da Ginástica Aeróbica de Alto Impacto invadir as academias com músicas e coreografias alucinantes. O ímpeto mais a falta de conhecimento da época levou muitos praticantes a microlesões. Substituída pela de Baixo Impacto ainda no final da década de 80 também não emplacou por muito tempo porque na década de 90 veio o step evitando os erros do passado.

http://www.copacabanarunners.net/ginastica-localizada.html

Fonte: Copacabana Runners Corrida e Saúde

Alimentação

Dicas para uma vida saudável

Como aliar o prazer de comer com a alimentação saudável!

Nos primeiros dias da sua mudança de hábitos, sentir prazer em comer somente alimentos saudáveis será complicado. Mas não desista! É possível fazer uma reeducação e incluir alimentos que lhe dêem satisfação. A mistura de iogurte com frutas, por exemplo, é uma boa pedida para o lanche da tarde (consulte o cardápio), além de ser saudável é saboroso.
Outra dica bacana é conhecer bem os alimentos e descobrir, entre as possibilidades inseridas no cardápio indicado pelo médico, alimentos que te façam sentir mais feliz. A dieta está intimamente relacionada ao humor, pois o que comemos afeta de certa forma nossas emoções.

Para você se alimentar com prazer e ainda manter o peso é importante comer alimentos de todos os grupos, variar o cardápio sempre que puder, considerar os valor nutritivo dos alimentos e não só o valor calórico. Cuidado com as gorduras, atenção para os exageros e lembre-se de distribuir as calorias comendo bem no café da manhã, equilibradamente no almoço e moderadamente no jantar, sempre lembrando dos lanchinhos intermediários.

http://www.endogastrorio.com.br/index.phppag=dica&dic_id=11

Fonte: Endogastro Med service // Tratamento Endoscópico do Sobrepeso e Obesidade

Boa Dica

Como Escovar os Dentes
Qual a maneira certa de escovar?
Uma escovação adequada deve durar, no mínimo, dois minutos, isto é, 120 segundos! A maioria dos adultos não chegam nem próximos a este tempo. Para ter uma idéia do tempo necessário para uma boa escovação, use um relógio na próxima vez que escovar os dentes. Escove-os com movimentos suaves e curtos, com especial atenção para a margem gengival, para os dentes posteriores, difíceis de alcançar e para as áreas situadas ao redor de restaurações e coroas. Concentre-se na limpeza de cada setor da boca, da seguinte maneira:

Escove as superfícies voltadas para a bochecha dos dentes superiores e, depois, dos inferiores.
Escove as superfícies internas dos dentes superiores e, depois, dos inferiores.
Em seguida, escove as superfícies de mastigação.
Para ter hálito puro, escove também a língua

http://www.colgate.com.br/app/Colgate/BR/OC/Information/OralHealthBasics/GoodOralHygiene/BrushingandFlossing/HowtoBrush.cvsp

Fonte: Colgate

Locais

Nononononononononononononononononononononoononononononononono nonononononononononononononononononononononononononononononono nonononononononononononononononononononononononononononononono nonononononononononononononononononononononononononononononono nonononononononononononononononononononononononononononononono nononononononononononononononononononononononononononononono.

Palestras sobre Prevenção

Doenças de transmissão sexual

As doenças sexuais são fatores que antes não assustavam tanto ainda mais entre os jovens, agora com tudo é uma das maiores preocupações, temos que tomar cuidado e alertar principalmente os jovens quanto a esse problema.

Temos varias doenças de transmissão sexual como por exemplo sífilis ou lues, gonorréia ou uretrite gonocócica (blenorragia), cancro mole, linfogranuloma venéreo, Donovanose, Clamidíase, Herpes Genital, Condiloma acuminado, Hepatite B, Hepatite A, Fitiríase, Candidíase.

As DST podem ser causadas por vírus, bactérias, protozoários ou mesmo, parasitas. Quando se notar os sintomas é necessário parar com qualquer atividade sexual e procurar rapidamente um médico, a pessoas tem que usar preservativo para que não tenha perigo na hora da atividade sexual , as doenças são perigosas principalmente o HIV.

Fonte: Youtube

Aferição dos Sinais Vitais

Sinais Vitais: Pulso

São sinais de vida
Normalmente, a temperatura, pulso e respiração permanecem mais ou menos constantes. São chamados “Sinais Vitais”, porque suas variações podem indicar enfermidade. Devido à importância dos mesmos a enfermagem deve ser bem exata na sua verificação e anotação.

Pulso
Conceito:
É o nome que se dá à dilatação pequena e sensível das artérias, produzida pela corrente circulatória.
Toda vez que o sangue é lançado do ventrículo esquerdo para a aorta, a pressão e o volume provocam oscilações ritmadas em toda a extensão da parede arterial, evidenciadas quando se comprime moderadamente a artéria contra uma estrutura dura.

Locais onde pode ser verificado
Normalmente, faz-se a verificação do pulso sobre a artéria radial. Quando o pulso radial se apresenta muito filiforme, artérias mais calibrosas como a carótida e femoral poderão facilitar o controle. Outras artérias, como a braquial, poplítea e a do dorso do pé (artéria pediosa) podem também ser utilizadas para a verificação.

Freqüência Fisiológica:

Homem 60 a 70
Mulher 65 a 80
Crianças 120 a 125
Lactentes 125 a 130

Observação: Existem fatores que alteram a freqüência normal do pulso:

Fatores Fisiológicos:
Emoções – digestão – banho frio – exercícios físicos (aceleram)
Certas drogas como a digitalina (diminuem)

Fatores Patológicos:
Febre – doenças agudas (aceleram)
Choque – colapso (diminuem)

Regularidade:
Rítmico – bate com regularidade
Arrítmico – bate sem regularidade

O intervalo de tempo entre os batimentos em condições normais é igual e o ritmo nestas condições é denominado normal ou sinusal. O pulso irregular é chamado arrítmico.

Tipos de Pulso:
Bradisfigmico – lento
Taquisfígmico – acelerado
Dicrótico – dá a impressão de dois batimentos

Volume: cheio ou filiforme
Observação: o volume de cada batimento cardíaco é igual em condições normais. Quando se exerce uma pressão moderada sobre a artéria e há certa dificuldade de obliterar a artéria, o pulso é denominado de cheio. Porém se o volume é pequeno e a artéria fácil de ser obliterada tem-se o pulso fino ou filiforme.

Tensão ou compressibilidade das artérias
Macio – fraco
Duro – forte

Terminologia:
– Nomocardia: freqüência normal
– Bradicardia: freqüência abaixo do normal
– Bradisfigmia: pulso fino e bradicárdico
– Taquicardia: freqüência acima do normal
– Taquisfigmia: pulso fino e taquicárdico

Material para verificação do pulso:
– Relógio com ponteiro de segundos.

Procedimento:
– Lavar as mãos;
– Explicar o procedimento ao paciente
– Coloca-lo em posição confortável, de preferência deitado ou sentado com o braço apoiado e a palma da mão voltada pra baixo.
– Colocar as polpas dos três dedos médios sobre o local escolhido pra a verificação;
– Pressionar suavemente até localizar os batimentos;
– Procurar sentir bem o pulso, pressionar suavemente a artéria e iniciar a contagem dos batimentos;
– Contar as pulsações durante um minuto (avaliar freqüência, tensão, volume e ritmo);
– Lavar as mãos;
– Registrar, anotar as anormalidades e assinar.

Pulso apical:
Verifica-se o pulso apical no ápice do coração à altura do quinto espaço intercostal.

Observações importantes:

– Evitar verificar o pulso em membros afetados de paciente com lesões neurológicas ou vasculares;
– Não verificar o pulso em membro com fístula arteriovenosa;
– Nunca usar o dedo polegar na verificação, pois pode confundir a sua pulsação com a do paciente;
– Nunca verificar o pulso com as mãos frias;
– Em caso de dúvida, repetir a contagem;
– Não fazer pressão forte sobre a artéria, pois isso pode impedir de sentir o batimento do pulso.

Bibliografia:
Manual de procedimentos básicos de Enfermagem / Coordenadora: Maria Isabel Sampaio Carmagnoni – Rio de Janeiro- 1996